PISCOISO
PESSOA

O meu olhar é nítido como um girassol.

Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda,

E de vez em quando olhando para trás...

E o que vejo a cada momento

É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem...

Sei ter o pasmo essencial

Que tem uma criança se, ao nascer,

Reparasse que nascera deveras...

Sinto-me nascido a cada momento

Para a eterna novidade do Mundo...
___________________________
Arquivo
___________________________


14.2.16

 
HOJE HÁ MONTY PYTHON.

13.2.16

 

Fernando Pessoa

12.2.16

 
Benfica 1-2 Porto
É o jogo que ninguém quer perder.
Coirato comenta às 20:30.

11.2.16

 
Foto:ZGarcia
Ao fundo o Castelo do Queijo. (03-02-16).

10.2.16

 
Falar do doping no ciclismo, já não atinge apenas os ciclistas, mas também as bicicletas.

9.2.16

 
La Mierda

Rui Costa apitou para o início do jogo, a bola segue para as costas do espanhol José Angel, onde Zequinha foi apanhá-la; este correu sem oposição pela direita, centrou para a pequena área portista, o guarda-redes espanhol Casillas vai ao lance e deixa escapar a bola para Walter González, que faz o golo mais rápido da Liga, aos 10 segundos.
Frangos de Casillas? Já nos habituámos. Foi na derrota em Guimarães, foi na Champions contra o Dinamo, só para lembrar os mais decisivos.
Ah, não! A culpa é do árbitro ou do Maicon. Abram os olhos.
Andar às sobras dos espanhóis é no que dá.


8.2.16

 
Lambert for You

Tarte Tatin
Em dias de festa, como aniversários, costumamos fazer uma tarte Tatin, uma sobremesa clássica da doçaria francesa. Foi no Vale do Loire, em Lamotte-Beuvron, que ela nasceu, por volta de 1889 no Hotel Tatin. Diz-se que Stephanie Tatin, encarregada da cozinha, se enganou ao fazer uma tarte aux pommes, colocando a massa sobre as maçãs e não o inverso. Não acreditamos nessa versão. É certamente mais provável que tenha resultado de um aproveitamento dos restos de uma fornada de tartes aux pommes, uma especialidade da casa. Em vez de acomodar a massa numa tarteira, sobre a qual verteria as maçãs caramelizadas, dispôs a massa sobre estas. Mas vamos à receita.
Os ingredientes são três: cem gramas de açúcar, igual peso de manteiga e um quilo de maçãs. A massa, folhada ou quebrada, pode comprar-se já feita.
Começa-se por descascar as maçãs. Cortar cada uma em quatro gomos, retirar os caroços e espremer limão sobre eles para não oxidarem. Numa frigideira que possa ir ao forno, cobre-se o fundo com o açúcar e a manteiga. Vai a lume esperto e quando o açúcar começar a caramelizar, juntar os gomos de maçã. Borrife com uns pingos de vinho do Porto para lhe dar um toque pessoal.
Finalmente, cubra as maçãs com a massa e faça um pequeno furo no meio, ou pique com um garfo, para saída do vapor ao cozinhar.
Leve ao forno bem quente até a massa alourar. Retira-se e deixa-se repousar uns dez minutos. Ainda na frigideira, roda-se com a mão para descolar. Inverte-se depois para um prato, ficando a massa por baixo. Espetáculo.
Brindámos com um Porto.
Bom proveito.
Foto ZGarcia

PISCOISO@zonmail.pt